MINUTO DE ECONOMIA


Leia em segundos os Minutos da semana…

  • Ata do Copom alertou para o perigo de “PEC kamikaze” que pretende reduzir o preço dos combustíveis.  

  • Inflação desacelerou em janeiro, mas acumulado de 12 meses continua em dois dígitos, 10,38%

  • Avanço da vacinação fez setor de serviços e comércio crescerem 10,9% e 1,4%, respectivamente, em 2021.

Prévia do PIB está consistente com projeção do mercado de expansão do PIB em 4,5%

  • O IBC-Br, indicador antecedente do PIB divulgado pelo Banco Central subiu 0,33% em dezembro contra novembro. Resultado abaixo da projeção do mercado (0,6%) e da GO Associados (0,4%).

  • O crescimento acumulado em 2021 foi de 4,5%. O ano de 2021 foi de recuperação, considerando o desempenho dos setores, como comércio, indústria e, principalmente, serviços que teve mais dificuldade para retomar as atividades em 2020.

  • Com o resultado de dezembro, a GO Associados revisou a projeção do PIB de 4,7% para 4,6%. A mediana das expectativas da pesquisa Focus para 2021 está em 4,5%.

IBC-Br (100=2002)


  • O ritmo de recuperação da economia não cedeu tanto e a expectativa de uma nova onda de casos de Covid com a variante Ômicron afetou menos do que o esperado.

  • Para o final do ano e para o início de 2022, os pontos de atenção para a economia são:

  1. A inflação tem avançado e preocupado não só o Brasil, mas o resto do mundo também;

  2. O aumento da taxa de juros para controlar a inflação aumenta o custo do crédito, o que inibe novos investimentos e o consumo baseado no crédito;

  3. A quebra nas cadeias de suprimentos globais e o aumento no custo de energia está afetando a indústria, que está apresentando uma recuperação em W, com uma nova queda em 2021.

  4. Possível desaceleração do crescimento mundial, sobretudo da China, prejudicaria as exportações brasileiras;

  5. A instabilidade política e o risco fiscal em um ano pré-eleitoral inibem o investimento;

A concorrência é o melhor caminho para uma concessão bem-feita para os aeroportos do Rio de Janeiro…

  • Os problemas causados pela pandemia da Covid-19 que afetaram diretamente o setor de turismo fez com que a concessionária que administra o aeroporto Internacional do Galeão no Rio de Janeiro, anunciasse a devolução da concessão.

  • O anúncio da devolução fez com que o Ministro da Infraestrutura anunciasse um bloco com os dois aeroportos. Embora o setor de turismo, que é um segmento importante para os aeroportos, tenha apresentado recuperação em 2021, ainda está 11,4% abaixo do patamar pré-crise.

  • A 7ª rodada de concessão dos aeroportos teria o aeroporto Santos Dumont sozinho. Entretanto, agora, deverá ocorrer uma 8ª rodada do Santos Dumont junto com o Galeão.

  • É importante priorizar a concorrência, inclusive entre os aeroportos. Para isso, a modelagem da concessão será importante.

7ª rodada de concessão será dividida em quatro blocos.


Blocos dos aeroportos leiloados em 2021



O que vai mexer com as expectativas na próxima semana…

  • No cenário nacional:

  1. O foco deverá ser a discussão sobre a criação de uma lei que trate do preço dos combustíveis. Na segunda-feira, haverá uma reunião de líderes no Senado para discutir o tema. Por outro lado, a chamada “PEC Kamikaze” apresentada no Senado, não deverá avançar.

  2. Na terça-feira o Senado deverá iniciar a discussão dos projetos de lei que criam uma compensação com uso de dividendos da Petrobrás e a proposta que estabelece um ICMS fixo para os combustíveis

  3. A possível derrubada do veto ao Reporto só deve ocorrer em meados de março, mas já na próxima semana, a pressão pela derrubada do veto deve ocorrer no Congresso. A prorrogação de incentivo fiscal para compras de máquinas e equipamentos para o setor portuário e segmentos logísticos seria prorrogada até 2023, mas o artigo que prorrogava o Reporto foi vetado no projeto da BR do Mar.

  • No cenário internacional:

  1. O principal assunto do exterior continuará sendo os desdobramentos do possível conflito entre Rússia e Ucrânia, com impactos nos preços do petróleo e do gás natural.

  2. O Brasil também deverá entrar em evidência com a expectativa da visita do Presidente Jair Bolsonaro à Rússia. Fato que pode causar desconforto e pressão de aliados ocidentais.

  3. O principal indicador econômico será a divulgação do PIB da Zona do Euro em 2021, a mediana das expectativas do mercado indica um crescimento de 4,6%. O resultado será divulgado na terça-feira.

  4. Na segunda-feira, uma das economias mais importantes da Ásia, o Japão, divulgará seu PIB de 2021, a projeção do mercado é de um crescimento de 5,8%.

1 visualização0 comentário