MINUTO DE ECONOMIA


EUA cresceram quase que um Brasil em 2021…

  • PIB dos EUA acima do esperado deve ser gatilho final para aumento das taxas de juros internacionais.  

  • A primeira estimativa do crescimento do PIB dos EUA indica expansão de 5,7% em 2021, representando incremento de US$1,193 trilhões, quase o tamanho do PIB brasileiro em 2020, foi de US$1,445 trilhão.   

  • O resultado veio um pouco acima da expectativa do mercado de 5,5% e é o maior crescimento desde 1983. A retomada dos empregos já no início do terceiro trimestre de 2020 e os pacotes trilionários de incentivo à economia ajudaram na recuperação.

  • A recuperação acelerada motivada por pacotes de estímulo e os desequilíbrios observados nas cadeias globais ao longo do último ano causaram também a maior inflação desde 1983; 7%, bem acima da meta de 2%, outro sinal para aumento na taxa de juros.

  • Em comunicado divulgado ontem o Federal Reserve manteve a taxa básica de juros em 0% a 0,25%, mas indicou que na próxima reunião, em março, deverá a aumentar a taxa. O discurso de J. Powell foi inequívoco no sentido de aumento da taxa de juros pelo FED, fazendo crer em um acréscimo de 1,25 pontos percentuais, atingindo um intervalo entre 1,25% a 1,5% no final do ano.

  • O aumento nas taxas de juros internacionais tem efeitos negativos especialmente sobre países emergentes, como o Brasil, que terão de aumentar ainda mais suas taxas de juros para manter a diferença entre a taxa de juros internacional e nacional, impedindo uma fuga de capitais.

  • A primeira reunião do Copom em 2022 acontece na próxima semana. A expectativa da GO Associados é que a taxa básica de juros passe de 9,25% para 10,75%.

  • A expectativa do mercado é a de que a taxa básica de juros no Brasil acabe o ano em 11,75% contra nossa projeção na GO Associados de 12%.

0 visualização0 comentário