MINUTO DE ECONOMIA


Desaceleração do IPCA-15 é positiva, mas insuficiente para atingir a meta de 2022

  • IPCA-15 de janeiro desacelera a 0,58%, ante 0,78% em dezembro, das expectativas do mercado de 0,45%.

  • O IPCA 15 de janeiro subiu 0,58% abaixo da projeção de mercado (0,78%).

  • O resultado do IPCA-15 e do IGP-M (que será divulgado sexta-feira), serão os indicadores mais atuais de inflação antes da próxima reunião do Copom na quarta-feira da próxima semana. A expectativa e a indicação na ata do Copom são de um reajuste de 1,5 p.p. passando de 9,25% para 10,75% a.a.

  • A meta de inflação para 2022, caiu de 3,75% para 3,50%, com intervalo de tolerância entre 2% e 5%. Para alcançar este resultado é preciso que a inflação caia pela metade do apurado atualmente.

  • Apesar da expectativa de menor pressão da energia elétrica, os combustíveis, que podem ser impactados pela volatilidade do câmbio em um ano eleitoral, e os alimentos, que podem ter a produção afetada por problemas climáticos, são pontos de atenção. Além é claro de um agravamento da tensão Rússia/Ucrânia.

  • O número mostra uma desaceleração na inflação. O IPCA-15 de novembro foi de 0,78%. Esta desaceleração deve continuar na divulgação do IPCA de dezembro.


  • O grupo transportes, foi o único que não apresentou alta em janeiro (-0,41%), em dezembro de 2021, o grupo transportes subiu 2,41% e foi o principal vilão da inflação em 2021, com alta de 21,35%.

  • A gasolina foi a principal responsável pela queda no grupo transportes, (-1,78%).

  • O grupo alimentação e bebidas teve a maior alta, (0,97%). Com a alimentação no domicílio sendo o principal destaque, 0,46%. A cebola, 17,09% e café moído 6,50% foram itens com maior impacto no grupo.

  • A energia, que também pressionou a inflação em 2021, agora apresentou uma pequena variação de 0,03%. Mesmo diante do aumento das chuvas, os custos da produção das termoelétricas durante o período mais crítico da crise hídrica ainda estão impactando na conta de luz. E contribuindo para que não ocorra queda nos preços.

0 visualização0 comentário