My Items

I'm a title. ​Click here to edit me.

Desemprego, inflação e as expectativas da semana | MINUTO DE ECONOMIA

Desemprego, inflação e as expectativas da semana | MINUTO DE ECONOMIA

Leia em segundos os Minutos da semana… A mediana das expectativas de inflação para 2022 saltou 0,8 p.p. em uma semana, passando de 5,65% para 6,45%. O FOMC aumentou a taxa de juros da economia dos EUA. Os membros projetam que a taxa de juros termine próximo de 2% em 2022 e 3% em 2023. O Copom aumentou a taxa Selic de 10,75% para 11,75%. Para a próxima reunião há um indicativo de outro aumento de 1 p.p., elevando a taxa de juros para 12,75% na reunião de maio. O setor de serviços caiu 0,1% e a prévia do PIB acusou queda de 0,99% no mês de janeiro. O pico da variante Ômicron prejudicou o desempenho da economia no início do ano. Desemprego deve continuar a subir no início de ano… A taxa de desemprego do trimestre móvel encerrado em janeiro foi de 11,2%. O resultado veio em linha com a projeção da GO Associados (11,2%) e foi abaixo da mediana das expectativas do mercado (11,4%). Este processo de alta na taxa de desemprego deve continuar em fevereiro e março, chegando a algo próximo de 11,6% ao fim do 1º trimestre e caindo a partir daí. A população subutilizada caiu 7,2%, chegando a 27,8 milhões de pessoas. O número de empregados sem carteira assinada e trabalhadores por conta própria subiu 3,6% (33 milhões), enquanto os empregos com carteira assinada aumentaram 2% (34,6 milhões). A taxa de informalidade está em 40,4%. O mercado de trabalho informal tem retomado o ritmo mais rápido que o formal. O excesso de rigidez da legislação trabalhista aliado às incertezas da conjuntura inibe a contratação formal, estimulando a informalidade. Se o mercado de trabalho está retomando o nível pré-pandemia, a renda ainda não está recuperando no mesmo ritmo, graças à aceleração da inflação e o crescimento da informalidade. O rendimento real habitual ficou em R$2.489,00, um pouco maior que o observado em dezembro. O que vai mexer com as expectativas na próxima semana… No cenário nacional: O destaque da próxima semana será a divulgação do IPCA-15 de março, que deve refletir o forte impacto dos combustíveis sobre a inflação e será divulgado na próxima sexta-feira, dia 25. A projeção da GO Associados é de 1,2%. A disparada de inflação colocou a decisão do Copom da última quarta-feira em destaque. A ata da reunião será divulgada na terça, dia 22. A repercussão do pacote do governo que deve injetar cerca de R$ 165 bilhões na economia deve continuar a ser um dos principais temas. A liberação de saques do FGTS e adiantamento do 13º do INSS deve ter impacto positivo sobre a atividade. O setor de concessões terá nova semana agitada. Na terça será concedido novamente a iniciativa privada o Parque Nacional do Iguaçu, com expectativa de investimento de R$ 540 milhões. Na quarta, 23, será privatizada o braço de geração da CEEE, empresa de energia elétrica do Rio Grande do Sul. O preço mínimo para a venda da fatia de 66,08% pertencente ao governo do RS será de R$ 1,25 bilhão. Além disso, o investidor deve fazer o pagamento, à União, do bônus de outorga de R$ 1.659.406.180,50 mais o mesmo percentual de ágio obtido no leilão. O presidente do Senado Rodrigo Pacheco pretende aprovar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a PEC 110/19 na próxima semana. A votação vem sendo seguidamente adiada e é difícil prever que o texto seja aprovado ainda este ano. No cenário internacional: O principal ponto de atenção no mundo continua a ser a Guerra entre Rússia e Ucrânia. O petróleo se estabilizou na faixa de US$ 100 a US$ 110, mas o cenário continua imprevisível. As primeiras prévias dos Índices de Compras dos Gerentes (PMI) de março serão divulgadas nas próximas semanas. Especial atenção para observar o impacto do conflito na Ucrânia sobre a atividade nos países da Zona do Euro.

Copom sobe taxa de juros | MINUTO DE ECONOMIA

Copom sobe taxa de juros | MINUTO DE ECONOMIA

Copom sobe taxa de juros a 11,75% e indica Selic subindo a 12,75% em maio… Conforme esperado, o Comitê de Política Monetária anunciou a decisão de subir em 1 p.p. a taxa básica de juros da economia brasileira. O comunicado indicou novo aumento de 1 p.p. na reunião de 3 e 4 de maio, o que faria a Selic chegar a 12,75%, maior valor desde 2017. Tal anúncio pareceu precipitado diante de tantas incertezas na economia mundial. Outros destaques do comunicado: O conflito Rússia e Ucrânia cria incerteza na economia mundial e pressão inflacionária adicional através da elevação no preço de commodities; Inflação subjacente, isto é, sem as oscilações transitórias, continua pressionada; A atividade surpreendeu positivamente, tendo o PIB do 4º tri/21 vindo acima da expectativa de mercado; Em contraste, a inflação medida pelo IPCA surpreendeu negativamente vindo acima do esperado, situando-se em 10,54% no acumulado de doze meses até fevereiro, mais do que o dobro do teto da meta para 2002 (5%); e Incerteza fiscal continua a representar um problema. O cenário observado pelo Copom indica uma maior necessidade de aumento na taxa de juros dado que a inflação não cede e a atividade continua relativamente aquecida. O comunicado reafirmou a intenção de trazer a inflação para as metas em um horizonte mais amplo, de 2022/23. O aumento na taxa de juros internacional, como indicado pelo FOMC hoje para a taxa dos EUA, deve exercer uma força altista sobre o preço do dólar. O Quadro registra algumas variáveis relevantes.

Guerra e a alta dos preços para combustíveis | MINUTO DE ECONOMIA

Guerra e a alta dos preços para combustíveis | MINUTO DE ECONOMIA

NOVA CONJUNTURA DE GUERRA ELEVA EXPECTATIVA DE INFLAÇÃO PARA QUASE O DOBRO DA META DE 2022 Alta no preço dos combustíveis e no gás de cozinha será fator importante na decisão da taxa de juros… O recente aumento no preço dos combustíveis terá reflexo na inflação de 2022. A mediana das expectativas de inflação para 2022 saltou 0,8 p.p. de uma semana para outra, passando de 5,65% para 6,45%. A meta de inflação de 2022 é de 3,5% com teto de 5% e piso de 2,5%. Na última semana, o preço médio da gasolina foi de R$ 6,70. Porém, em estados como o Rio de Janeiro, o preço máximo chegou a R$ 8,19. Considerando um aumento no preço médio da gasolina de R$1,00, o impacto direto apenas deste item sobre o IPCA será de 0,84 p.p. A gasolina acumula uma alta de 31,62% no IPCA. O aumento do diesel tem um impacto direto menor. Para cada R$1,00 adicional, o efeito é de 0,03 p.p. No caso do botijão de gás, um aumento de R$ 10 causa impacto de 0,12 p.p. no IPCA. Apenas os três itens podem ter um impacto de 0,99 p.p. no IPCA de março, que no acumulado de 12 meses já está em 10,54%, representando mais do que o dobro do teto da meta de inflação. Amanhã o Comitê de Política Monetária anuncia a decisão sobre a taxa de juros A projeção da GO Associados é de uma alta de 1 p.p., com a taxa Selic passando de 10,75% para 11,75%. A decisão é importante para o preço dos combustíveis, pois uma alta na taxa de juros tem reflexos no câmbio, impactando no preço do petróleo em reais, mesmo que o preço do barril fique constante.

Inflação, combustíveis e as expectativas para a próxima semana | MINUTO DE ECONOMIA

Inflação, combustíveis e as expectativas para a próxima semana | MINUTO DE ECONOMIA

Leia em segundos os Minutos da semana… Preço do petróleo disparou, ultrapassando os US$130 dólares no início da semana. Com avanço nas negociações entre Rússia e Ucrânia recuou para US$ 109. Indústria enfrenta as sequelas da pandemia e as mazelas da guerra. A produção industrial caiu 2,4% em janeiro. Reajuste no preço dos combustíveis não elimina defasagem em relação aos preços internacionais. O aumento de 18,7% no preço da gasolina e de 24,9% no preço do diesel nas refinarias começa a valer hoje. O gás liquefeito de petróleo (GLP) também será reajustado, com o percentual de 16%. Desempenho do varejo em janeiro foi melhor do que o mercado previa, em janeiro, de 0,8%. A expectativa do mercado era de 0,3% e da GO Associados de 0,1%. Safra 2021/22 será menor do que projetado, mais ainda deve ser recorde. A Conab divulgou o 6º levantamento sobre a safra 2021/22 de grãos, registrando 265,7 milhões de toneladas, 4% superior à de 2020/21 (255,4 milhões de toneladas). Caged de janeiro mostra continuidade do bom momento da geração de empregos. O saldo formal de empregos indicou criação líquida de 155.178 empregos formais no mês de janeiro de 2022. Educação puxa para cima inflação de fevereiro, IPCA de fevereiro foi de 1,01% conforme projetado pela GO Associados… O IPCA de fevereiro foi de 1,01%, mesmo resultado da GO Associados e acima da projeção do mercado 0,95%. O resultado de fevereiro é o maior para o mês desde 2015. No acumulado de 12 meses, a inflação passou de 10,38% em janeiro para 10,54% em fevereiro. O teto da meta é de 5%, o resultado acumulado em 12 meses já é superior ao dobro do teto. O item transportes que apresentou alta de 0,46% em fevereiro devem voltar a ser um vilão dos preços em março, com o reajuste nos combustíveis e no gás de cozinha que passou a valer hoje. IPCA acumulado em 12 meses As projeções de inflação para 2022 seguem distantes do teto da meta e com viés de alta. A GO Associados atualizou novamente sua projeção para 2022, de 5,7% para 6,1% dada a recente pressão nos preços dos combustíveis. Hoje passa a valer o reajuste no preço dos combustíveis em razão da alta nos preços do petróleo. O que vai mexer com as expectativas na próxima semana… No cenário nacional: O principal evento da próxima semana será a decisão do Copom, a ser anunciada na próxima quarta-feira. A expectativa do mercado e da GO Associados é de aumento de 1 p.p., fazendo a taxa básica de juros chegar a 11,75%. Importante observar a reação da autoridade monetária frente a guerra Rússia e Ucrânia e a disparada nos preços de commodities. Em relação ao impacto do conflito, o Legislativo deve aprovar o pacote dos combustíveis, que contém o PL 1472 e o PLC 22/2020. Segundo Paulo Guedes, o pacote reduz em dois terços o impacto do reajuste da Petrobrás sobre o diesel. Em relação a indicadores, destaque para os de atividade. A Pesquisa Mensal de Serviços para janeiro será divulgada na quarta, dia 16, enquanto a prévia do PIB será divulgada na quinta, 17. Também na próxima semana a taxa de desemprego de janeiro será divulgada na sexta. A taxa de desemprego deve apresentar uma leve elevação, de 11,1% para 11,2%. O leilão de destaque na infraestrutura ocorrerá na sexta com a concessão do Lote Triângulo Mineiro em Minas Gerais, que envolve trechos da BR-365, da BR-452 e de estradas estaduais, a previsão de investimento é de R$ 2,5 bilhões. No cenário internacional: No cenário internacional o destaque é a reunião do FOMC, que também ocorrerá na quarta-feira e deve marcar o início de altas das taxas de juros internacionais. Na quinta os bancos centrais da Inglaterra e do Japão também terão decisão de política monetária. Em relação a guerra da Ucrânia e seus efeitos sobre as commodities, a última semana teve as primeiras sanções contra o petróleo russo e notícias positivas sobre as negociações entre Rússia e Ucrânia, o que fez com o petróleo baixasse para a casa dos US$ 109.

Combustíveis, desempenho do varejo e a safra 2021/22 | MINUTO DE ECONOMIA

Combustíveis, desempenho do varejo e a safra 2021/22 | MINUTO DE ECONOMIA

Reajuste no preço dos combustíveis não elimina defasagem em relação aos preços internacionais… A Petrobras anunciou hoje um aumento de 18,7% no preço da gasolina e de 24,9% no preço do diesel nas refinarias, a partir de sexta-feira. O gás liquefeito de petróleo (GLP) também será reajustado, com o percentual de 16%. O preço por litro da gasolina vendida na refinaria deve passar de R$ 3,25 para R$ 3,86 nas refinarias. Entretanto, segundo a paridade de preços internacional (PPI), o preço médio de importação da gasolina na semana de 28/02 a 04/03 foi de R$ 3,95. Portanto, mesmo com o reajuste, o preço ainda está abaixo da PPI. O último reajuste foi feito há 57 dias. O impacto no preço médio da gasolina deve ser de R$0,44, um pouco menor do que os R$0,61 de aumento nas refinarias, já que os R$0,61 que aumentou na refinaria pela presença da mistura obrigatória de 27% de etanol anidro. O Diesel, por sua vez, deve sofrer por litro de gasolina comercializada nos postos. Também haverá um aumento no preço médio de R$0,81. O gás de cozinha também terá reajuste de 16%, passando de R$ 3,86 para R$ 4,48. Para este produto, o reajuste havia sido feito há 157dias. DESEMPENHO DO VAREJO EM JANEIRO FOI MELHOR DO QUE O MERCADO PREVIA … O resultado do varejo em janeiro, de 0,8%, veio melhor do que o esperado: a expectativa do mercado era de 0,3% e da GO Associados de 0,1%. O varejo ampliado que considera veículos, motos, partes e peças, e material de construção caiu 0,3% no mesmo período. Assim como a indústria automobilística foi o destaque negativo no resultado da indústria, no varejo o mesmo ocorreu. Este segmento em geral enfrenta dificuldade em razão da falta de insumos e pode sofrer ainda com o aumento do preço dos combustíveis. Das oito categorias que compõem as vendas no varejo, apenas três apresentaram alta em janeiro, com destaque para “outros artigos. de uso pessoal e doméstico” (9,4%) e “Artigos farmacêuticos, med., ortop. e de perfumaria” (3,8%). O setor automobilístico deve continuar sofrendo em 2022, em especial o de venda de combustíveis com o novo patamar de preço atingido com a guerra. Desempenho do varejo jan/22 Outro ponto de atenção para o comércio é a reunião do Copom da próxima semana, que deve aumentar a taxa básica de juros em 1 p.p., de 10,75% para 11,75%. Tal aumento, com o objetivo de conter a inflação que continua em dois dígitos, tem impacto recessivo sobre a atividade econômica e pode frear o consumo. Safra 2021/22 será menor do que projetado, mais ainda deve ser recorde… A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou o 6º levantamento sobre a safra 2021/22 de grãos, registrando 265,7 milhões de toneladas, 4% superior à de 2020/21 (255,4 milhões de toneladas). A estimativa indica crescimento de 4,3% na área a ser plantada em comparação à safra 2020/21. São estimados 72,7 milhões de hectares, aumento de 3 milhões de hectares, influenciados, sobretudo, pelo crescimento das áreas de soja e milho. Apesar de ainda indicar uma safra recorde, o levantamento indica uma redução de 0,9% na projeção. As principais alterações entre o 5º levantamento, lançado em fevereiro, e este foram a soja (-2,2%) e o arroz (-2,1%). A queda é reflexo da forte estiagem verificada, sobretudo, nos estados da Região Sul do país e no centro-sul de Mato Grosso do Sul. O clima adverso impactou de maneira expressiva as produtividades da soja, que deve apresentar queda de 11,1% na produção na comparação com a Safra 2020/21. O destaque positivo continua a ser o milho, que deve apresentar crescimento de 29% na produção frente a última safra, em que a cultura foi a principal vítima da seca e das geadas. Destaques do 6º levantamento da Conab Caged de janeiro mostra continuidade do bom momento da geração de empregos… O saldo formal de empregos do Caged indicou criação líquida de 155.178 empregos formais no mês de janeiro de 2022, acima da expectativa da GO Associados (110 mil) e do mercado (145 mil). O mercado de trabalho formal continua a apresentar desempenho positivo mesmo com a economia apresentando resultados pouco expressivos. O mercado de trabalho vem em forte recuperação desde meados de 2020. Geração de empregos formais – jan/22 Destaque-se o setor de serviços que com a temporada de turismo continua a contratar. Foram ganhos líquidos de mais de 100 mil vagas geradas no setor. Em contraste, o setor de comércio registrou perda líquida de cerca de 60 mil vagas formais com o fim do período de festas e demissão de muitos trabalhadores temporários contratados para esta época de fim de ano.

Queda na produção industrial | MINUTO DE ECONOMIA

Queda na produção industrial | MINUTO DE ECONOMIA

Indústria enfrenta as sequelas da pandemia e as mazelas da guerra… Produção de veículos derruba produção industrial em janeiro A produção industrial caiu 2,4% em janeiro, resultado pior que a expectativa do mercado, -1,9%. O resultado faz com que a indústria fique 3,5% abaixo do patamar pré-pandemia. A indústria teve uma recuperação rápida após o grande tombo entre março e abril de 2020. Entretanto, alguns fatores adversos reverteram este comportamento a partir de janeiro de 2021: a crise hídrica com impactos no custo da energia (o último reajuste nas contas de luz entrou em vigor justamente em setembro), a falta de insumos (semicondutores) e a volatilidade do câmbio. O grupo com a maior queda foi o de veículos automotores, reboques e carrocerias (-17,4%). Todas as categorias apresentaram queda, sendo a maior foi a de bens duráveis. O resultado retoma as quedas na indústria. Nos 12 meses de 2021, foram observadas quedas em oito deles. O resultado positivo (+4,5% no PIB) se deve mais a uma base fraca de comparação do que a um bom momento da indústria em 2021. Resultado da indústria por grupo – jan/22(%) Fonte: Pesquisa Industrial Mensal – IBGE. Alguns fatores justificam o desempenho ruim da indústria como a desaceleração das economias chinesa e mundial do lado da demanda e a escassez e custo das matérias primas do lado da oferta. Apesar de um crescimento no acumulado de 2021, as quedas consecutivas fazem com que indústria ainda esteja 5% abaixo do patamar de dezembro de 2020.

Crescimento do PIB | MINUTO DE ECONOMIA

Crescimento do PIB | MINUTO DE ECONOMIA

COVID-19 FOI UM PONTO FORA DA CURVA. EM 2022 BRASIL CONTINUA NA ARMADILHA DO PIBINHO Após queda de 3,9% em 2020, economia cresceu 4,6% em 2021. O PIB de 2021 cresceu 4,6% em 2021 comparado a 2020, resultado projetado pela GO Associados contra 0,5% no último trimestre de 2021. Em valores correntes, o PIB do último ano foi de R$ 8,7 trilhões. Há dois vetores fundamentais para escapar da armadilha do baixo crescimento: infraestrutura e a economia verde. A taxa de investimento foi de 19,2%, contra 17,4% em 2020. O setor de serviços apresentou o maior crescimento: 4,7%. O avanço da vacinação que possibilitou um recuo de casos de Covid-19 e a consequente reabertura da economia contribuíram para o desempenho do setor. A indústria cresceu 4,5%, com destaque para o setor de construção, que registrou 9,7%. O agro, cujo desempenho foi menos afetado durante a pandemia, sofreu com problemas climáticos em 2021. Destacam-se a escassez hídrica e as geadas em culturas importantes como cana-de-açúcar, milho e café. Além disso, teve efeito o embargo chinês à carne bovina. Para 2022, a atenção de um dos setores-chave da economia é a guerra na Ucrânia, que pode ter impacto negativo no preço dos fertilizantes utilizados no Brasil, dos combustíveis e dos alimentos, e forçar uma elevação maior do que a esperada na taxa de juros. Taxa de crescimento anual do PIB *Projeção GO Associados O resultado de 2021 foge da curva observada antes da pandemia de Covid-19 e não deverá se repetir em 2022. A projeção da GO Associados é que o PIB deverá crescer 1%.

Expectativas para a próxima semana | MINUTO DE ECONOMIA

Expectativas para a próxima semana | MINUTO DE ECONOMIA

Leia em segundos os Minutos da semana… Toda a atenção mundial voltada para a invasão da Ucrânia pela Rússia. Impactos sobre a economia brasileira: disparada do preço do barril de petróleo e da energia de uma maneira geral. No agronegócio, preocupa o acesso aos fertilizantes importados da Rússia e da Bielorrússia. Prévia da inflação de fevereiro fica acima das expectativas IPCA-15 deste mês subiu 0,99%, ante 0,58% em janeiro, acima das expectativas do mercado de 0,85%. Desemprego recua em 2021 e volta ao patamar de 2018. A taxa de desemprego do trimestre móvel encerrado em dezembro de 2021 foi de 11,1%. “Revisão da vida toda” pode gerar impacto de R$ 46 bilhões. O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para garantir que aposentados do INSS tenham direito à Revisão da Vida Toda. O julgamento do tema 1.102, que tem repercussão geral, está em plenário virtual e possui término previsto para o dia 8 de março. Até lá, algum ministro pode pedir vista ou destaque, o que reiniciaria o julgamento no plenário físico. Conceitualmente, a Revisão da Vida Toda possibilita aos aposentados do INSS, entre 1999 e 2019, pleitearem a revisão do cálculo de suas aposentadorias, incluindo contribuições previdenciárias realizadas antes de julho de 1994. Importante frisar que a Revisão da Vida Toda não é benéfica para todos os segurados, sendo de extrema importância a avaliação do cálculo como uma etapa preliminar ao requerimento da revisão De acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e nota técnica do Ministério da Economia, o impacto de autorizar a ‘revisão da vida toda’ para os cofres públicos é de R$ 46,4 bilhões ao longo de dez anos. O que vai mexer com as expectativas na próxima semana… No cenário nacional: O principal destaque da próxima semana é a divulgação do PIB de 2021 na sexta-feira. A projeção da GO Associados é de um crescimento de 0,2% no 4º trimestre e de 4,6% no ano. A guerra entre Rússia e Ucrânia tem impactos diretos sobre a economia brasileira, principalmente em relação ao preço dos combustíveis e de alimentos, dado que estes países são exportadores de petróleo e fertilizantes. Além disso, há pressão internacional dos EUA e países europeus para a adoção de uma postura mais dura por parte do governo brasileiro contra a Rússia. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), decidiu adiar a votação dos textos que tratam sobre a estabilização do preço dos combustíveis (PL 1.472/2021 e PLP 11/2020) para após o Carnaval. A Bolsa de Valores não funcionará nos dias 28 de fevereiro e 1º de março, segunda e terça-feira respectivamente. A movimentação dos ativos financeiros será retomada no dia 2 de março às 13 horas. No cenário internacional: O conflito entre Rússia e Ucrânia deve ser o foco do mercado internacional nos próximos dias. O petróleo chegou a superar a barreira dos US$ 100 ontem, mas recuou para o patamar de US$ 95 com a adoção de um discurso menos duro de Joe Biden. Dados do mercado de trabalho dos EUA também serão destaque, principalmente na sexta-feira com a divulgação do Payroll Não-Agrícola e da Taxa de Desemprego para fevereiro. Por fim, os Indicadores de Compras dos Gerentes (PMIs) de fevereiro devem ser divulgados no início da semana. IGP-M de fevereiro volta a acelerar por causa do aumento no preço de commodities como o minério de ferro… O IGP-M de fevereiro subiu 1,83% abaixo da expectativa do mercado, de 1,86%. Índice fechou 2021 em 17,78%, agora no acumulado de 12 meses está em 16,12% até fevereiro de 2022. A alta do IGP-M em fevereiro de 2022 foi menor do que a de 2021, 2,53% e próxima de janeiro de 2022, 1,82%. O minério de ferro subiu 5,49%, e foi a maior contribuição do IPA (índice de preços ao produtor amplo) que representa 60% do IGP-M e avançou 4,16%. A IPA é o índice mais sensível à variação de preços das commodities e do câmbio. A combinação da alta menor do IGP-M e a disparada do IPCA começou a fechar a boca de jacaré entre os dois índices como mostra o gráfico. O IGP-M de fevereiro e o IPCA de janeiro acumulam alta, respectivamente, de 16,12% e 10,38% nos últimos 12 meses. IPCA e IGP-M acumulado em 12 meses (%) O Índice de Preços ao Consumidor, que tem peso de 30% no IGP-M, registrou alta de 0,33%, acumulando 9,32% em 12 meses. A alta dos combustíveis e das commodities em razão do conflito na Ucrânia pode pressionar a inflação nos próximos meses. Outro reflexo do conflito é a pressão sobre o dólar, que chegou a ser negociado abaixo de R$5 antes da invasão russa e voltou para um patamar acima de R$ 5,10 ontem. Para 2022 a projeção é de que o IGP-M volte ao patamar abaixo dos 10%, entretanto uma maior duração de um conflito entre Rússia e Ucrânia pode alterar as projeções com um preço do petróleo se estabilizando em maior patamar e a tensão internacional e interna, causada pelas eleições, levando a desvalorizações cambiais.

Conflito Rússia x Ucrânia e a economia brasileira | MINUTO DE ECONOMIA

Conflito Rússia x Ucrânia e a economia brasileira | MINUTO DE ECONOMIA

Quais são os impactos do conflito Rússia x Ucrânia para a economia brasileira? A invasão russa à Ucrânia tem como consequência direta a lamentável perda de vidas, quando o mundo ainda não se recuperou das quase 6 milhões de mortes provocadas até agora pela pandemia de Covid 19. Para a economia, os efeitos de uma guerra no leste europeu também serão ruins. O impacto imediato é uma disparada do preço do barril de petróleo e da energia de uma maneira geral. Dependendo dos desdobramentos do conflito, pode haver um choque comparável aos dois choques do petróleo dos anos setenta do século passado. A ameaça do conflito nas últimas semanas aproximou o petróleo Brent dos US$ 100 e a confirmação da invasão fez com que a barreira dos US$100 fosse quebrada. A título de comparação, o barril de petróleo WTI nos auges das crises de 1973/74 e 1979/80 chegou a US$ 10 e US$ 39,50 equivalente em dólar de 2022 a US$ 61 e US$ 134,3. Além do barril do petróleo, a maior aversão ao risco deve pressionar o preço do dólar que chegou a ficar abaixo de R$ 5 nos últimos dias. Os investidores internacionais tendem a adquirir ativos com menor risco, como títulos públicos dos EUA. Para a economia brasileira, o efeito sobre a inflação pode ser grande pois uma disparada do preço do Petróleo potencializada pela alta do câmbio deve fazer subir ainda mais o preço dos combustíveis. É provável que isso tenha reflexos sobre decisão do Copom de aumentar a taxa de juros em meados de março. Outro impacto da guerra será sobre o agronegócio brasileiro. O principal nutriente de fertilizante aplicado no Brasil é o potássio, com 38%, seguido por cálcio, com 33%, e nitrogênio, com 29%. A maior cultura agrícola brasileira é a soja, que demanda mais de 40% dos fertilizantes aplicados. Cerca de metade das importações de cloreto de potássio vem da Rússia (30%) e da Bielorrússia (20%). Há igualmente forte dependência em relação ao nitrato de amônia. Uma interrupção do fornecimento de tais insumos por esses países poderá prejudicar ainda mais um dos principais vetores de crescimento da economia brasileira. Os maiores concorrentes da Rússia na produção de potássio são o Canadá, Israel, Bielorrússia e Alemanha. Desemprego recua em 2021 e volta ao patamar de 2018 Apesar de uma renda menor, a recuperação do mercado de trabalho é positiva. A taxa de desemprego do trimestre móvel encerrado em dezembro foi de 11,1%. A queda foi superior às expectativas da GO Associados (11,2%) e do mercado (11,2). A queda na taxa de desemprego reflete a retomada da atividade econômica, principalmente do setor de serviços, que se recuperou como consequência do avanço da vacinação. O nível de pessoas ocupadas é equivalente a dezembro de 2019. A população subutilizada caiu 7,8% chegando a 28,3 milhões de pessoas. O número de empregados sem carteira assinada subiu 6,4% (32,9 milhões) enquanto os empregos com carteira assinada aumentaram 2,9% (34,5 milhões). A taxa de informalidade está em 40,7%. O mercado de trabalho informal tem retomado o ritmo mais rápido que o formal. O excesso de rigidez da legislação trabalhista aliado às incertezas da conjuntura inibe a contratação formal, estimulando a. Se o mercado de trabalho está retomando o nível pré-pandemia, a renda ainda não está recuperando no mesmo ritmo, graças à aceleração da inflação e o crescimento da informalidade: o rendimento real habitual ficou em R$2.447,00.

MINUTO DE ECONOMIA

MINUTO DE ECONOMIA

Conflito Rússia-Ucrânia pode prejudicar o agronegócio brasileiro… Um possível conflito Rússia x Ucrânia tem chamado atenção do mundo, pois envolve os interesses de grandes potencias econômicas e militares. No caso do Brasil, embora não exista nenhum interesse geopolítico direto, a tensão na região poderá ter impactos para a economia brasileira, em particular para o agronegócio. Tal interesse pode explicar a viagem do presidente Jair Bolsonaro para Moscou. A Rússia e a Bielorússia são parceiros comerciais importantes, uma vez que são a origem de uma parcela significativa dos fertilizantes utilizados pelo agronegócio brasileiro. O principal nutriente de fertilizante aplicado no Brasil é o potássio, com 38%, seguido por cálcio, com 33%, e nitrogênio, com 29%. A maior cultura agrícola brasileira é a soja, que demanda mais de 40% dos fertilizantes aplicados. Cerca de metade das importações de cloreto de potássio vem da Rússia (30%) e da Bielorrússia (20%). Há igualmente forte dependência em relação ao nitrato de amônia. Uma interrupção do fornecimento de tais insumos por esses países poderá prejudicar ainda mais um dos principais vetores de crescimento da economia brasileira. Os maiores concorrentes da Rússia na produção de potássio são o Canadá, Israel, Bielorrússia e Alemanha. O valor pago em 2021 por companhias seguradoras representa crescimento nominal de 115%1 sobre os R$ 2,5 bilhões indenizados em 2020, devido aos extremos climáticos ocorridos no último ano. O desafio é garantir os interesses brasileiros sem afetar as relações com os dois principais parceiros comercias do país, China e EUA. Além dos insumos agrícolas, outro problema que o conflito pode trazer é uma disparada do preço do petróleo. Quadro 1: O que o Brasil importa e exporta para a Rússia: Quadro 2: Principais itens das importações da Rússia: Quadro 3: Principais itens exportados para a Rússia: Mesmo com jabutis, privatização da Eletrobrás ainda é o melhor caminho para empresa adquirir capacidade de investir… O Tribunal de Contas da União aprovou a primeira fase do processo de privatização da Eletrobrás. A privatização havia sido autorizada pela MP 1.031/21 que foi convertida em Projeto de conversão de Lei 7/2021 e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em julho de 2021. A privatização está em processo de modelagem econômico-financeira. Etapa que havia sido questionada no TCU sob a alegação de que o valor para outorga R$23,2 bilhões, seria menos da metade do valor correto. Além do valor de outorga, a lei que aprovou o inicio da privatização ainda possui outra ressalvas, como a obrigatoriedade de compra de energia de termoelétricas a gás natural e pequenas centrais hidroelétricas. Dada a capacidade limitada de investir do Estado, que administra a empresa atualmente, a privatização abre possibilidade do investimento privado. O valor de outurga discutido poderá ser corrigido pelo mercado.

MINUTO DE ECONOMIA

MINUTO DE ECONOMIA

Leia em segundos os Minutos da semana… Ata do Copom alertou para o perigo de “PEC kamikaze” que pretende reduzir o preço dos combustíveis. Inflação desacelerou em janeiro, mas acumulado de 12 meses continua em dois dígitos, 10,38% Avanço da vacinação fez setor de serviços e comércio crescerem 10,9% e 1,4%, respectivamente, em 2021. Prévia do PIB está consistente com projeção do mercado de expansão do PIB em 4,5% O IBC-Br, indicador antecedente do PIB divulgado pelo Banco Central subiu 0,33% em dezembro contra novembro. Resultado abaixo da projeção do mercado (0,6%) e da GO Associados (0,4%). O crescimento acumulado em 2021 foi de 4,5%. O ano de 2021 foi de recuperação, considerando o desempenho dos setores, como comércio, indústria e, principalmente, serviços que teve mais dificuldade para retomar as atividades em 2020. Com o resultado de dezembro, a GO Associados revisou a projeção do PIB de 4,7% para 4,6%. A mediana das expectativas da pesquisa Focus para 2021 está em 4,5%. IBC-Br (100=2002) O ritmo de recuperação da economia não cedeu tanto e a expectativa de uma nova onda de casos de Covid com a variante Ômicron afetou menos do que o esperado. Para o final do ano e para o início de 2022, os pontos de atenção para a economia são: A inflação tem avançado e preocupado não só o Brasil, mas o resto do mundo também; O aumento da taxa de juros para controlar a inflação aumenta o custo do crédito, o que inibe novos investimentos e o consumo baseado no crédito; A quebra nas cadeias de suprimentos globais e o aumento no custo de energia está afetando a indústria, que está apresentando uma recuperação em W, com uma nova queda em 2021. Possível desaceleração do crescimento mundial, sobretudo da China, prejudicaria as exportações brasileiras; A instabilidade política e o risco fiscal em um ano pré-eleitoral inibem o investimento; A concorrência é o melhor caminho para uma concessão bem-feita para os aeroportos do Rio de Janeiro… Os problemas causados pela pandemia da Covid-19 que afetaram diretamente o setor de turismo fez com que a concessionária que administra o aeroporto Internacional do Galeão no Rio de Janeiro, anunciasse a devolução da concessão. O anúncio da devolução fez com que o Ministro da Infraestrutura anunciasse um bloco com os dois aeroportos. Embora o setor de turismo, que é um segmento importante para os aeroportos, tenha apresentado recuperação em 2021, ainda está 11,4% abaixo do patamar pré-crise. A 7ª rodada de concessão dos aeroportos teria o aeroporto Santos Dumont sozinho. Entretanto, agora, deverá ocorrer uma 8ª rodada do Santos Dumont junto com o Galeão. É importante priorizar a concorrência, inclusive entre os aeroportos. Para isso, a modelagem da concessão será importante. 7ª rodada de concessão será dividida em quatro blocos. Blocos dos aeroportos leiloados em 2021 O que vai mexer com as expectativas na próxima semana… No cenário nacional: O foco deverá ser a discussão sobre a criação de uma lei que trate do preço dos combustíveis. Na segunda-feira, haverá uma reunião de líderes no Senado para discutir o tema. Por outro lado, a chamada “PEC Kamikaze” apresentada no Senado, não deverá avançar. Na terça-feira o Senado deverá iniciar a discussão dos projetos de lei que criam uma compensação com uso de dividendos da Petrobrás e a proposta que estabelece um ICMS fixo para os combustíveis A possível derrubada do veto ao Reporto só deve ocorrer em meados de março, mas já na próxima semana, a pressão pela derrubada do veto deve ocorrer no Congresso. A prorrogação de incentivo fiscal para compras de máquinas e equipamentos para o setor portuário e segmentos logísticos seria prorrogada até 2023, mas o artigo que prorrogava o Reporto foi vetado no projeto da BR do Mar. No cenário internacional: O principal assunto do exterior continuará sendo os desdobramentos do possível conflito entre Rússia e Ucrânia, com impactos nos preços do petróleo e do gás natural. O Brasil também deverá entrar em evidência com a expectativa da visita do Presidente Jair Bolsonaro à Rússia. Fato que pode causar desconforto e pressão de aliados ocidentais. O principal indicador econômico será a divulgação do PIB da Zona do Euro em 2021, a mediana das expectativas do mercado indica um crescimento de 4,6%. O resultado será divulgado na terça-feira. Na segunda-feira, uma das economias mais importantes da Ásia, o Japão, divulgará seu PIB de 2021, a projeção do mercado é de um crescimento de 5,8%.

MINUTO DE ECONOMIA

MINUTO DE ECONOMIA

Vacinação tem sido essencial para recuperação dos serviços Avanço da vacinação faz setor de serviços crescer 10,9% em 2021 e fechar o ano acima do nível pré-pandemia. Apesar da Ômicron, foi possível manter o nível de serviços e adotar restrições mais brandas do que as de 2020. O setor de serviços cresceu 1,4% em dezembro de 2021, um resultado melhor do que a mediana das expectativas do mercado (0,9%) e da GO Associados (1,1%). O impacto da variante Ômicron em dezembro não foi suficiente para conter a recuperação do setor. Mesmo diante do cancelamento de festas tradicionais de Ano Novo como no Rio de Janeiro e em Salvador. As atividades turísticas cresceram 3,5% em dezembro e 21,1% em 2021. A recuperação do setor que está 6,6% acima do nível pré-pandemia (fev-20). Tal resultado é consequência da vacinação, que contribui para a retomada ao longo do ano de atividades culturais e esportivas, por exemplo. Os cinco grupos apresentaram alta em 2021 com destaque para os serviços prestados às famílias, que cresceu 18,2%. Para 2022, a perspectiva é de continuidade da recuperação. Entretanto, o setor de serviços é o mais dependente do controle da pandemia, bem como da renda que caiu em 2020/21. Alguns eventos importantes para o desempenho do setor ainda não retomaram, como o carnaval de rua do Rio de Janeiro, de São Paulo, de Salvador e do Recife que foram cancelados pelo segundo ano consecutivo. Só na cidade de São Paulo, o último carnaval de rua e do sambódromo movimentou cerca de R$ 3 bilhões, crescimento de 31% em 2020 na comparação com 2019.